A FAMEL





Vários simbolos usados pela FAMEL


Fds, a mota é linda …
Esta foi uma frase emblemática da indústria das duas rodas em Portugal, num passado ainda muito recente.

A FAMEL foi das maiores empresas de motorizadas em Portugal.
Produziu o que de melhor havia no sector das duas rodas e durante as décadas de 60, 70 e 80 ditou regras e bateu top's de vendas.
As suas instalações ainda permanecem de pé na Estrada Nacional 1 na entrada de Mourisca do Vouga, para quem segue de Águeda. É angustiante o estado de degradação, lembrando mesmo os cenários de guerra que por vezes passam na televisão...
No inicio dos anos 90 e após a entrada de Portugal na UE, e com a forte concorrência internacional e a falta de capacidade dos seus gestores para se adaptarem ás investidas dos Nipónicos, Italianos e até Espanhóis, fomentou-se na empresa uma crise nunca antes sentida. Como se tal não bastasse, a Zundapp também teve fortes problemas económicos que ditaram praticamente o seu fim e que, assim deixaram a FAMEL sem propulsores.
Não existia em Portugal além da Casal que também enfrentava sérios problemas mais nenhum fabricante de motores. E também não houve habilidade nem garantias (penso eu…) para os procurar além fronteiras.
Nos inícios dos anos 90 e com a forte quebra nas vendas a FAMEL começou lentamente a despedir os seus colaboradores.
A ajudar esteve também o Estado Português, que complicou a obtenção das licenças de condução para 50 cm3 e incentivou a Carta de condução de modelos com motor de 125 cm3. Foi a machadada final nas 50’s Portuguesas.

Em 2002 e depois de muitos processos em tribunal, a empresa acabou por declarar falência.
Da FAMEL dependeram milhares de pessoas directa ou indirectamente, sendo por isso uma forte referência na história industrial desta região.
Resta o edifício degradado com poucos vidros ainda intactos e com promessas constantes de investimentos.
A ver vamos o que o futuro nos reserva.





Uma capa e contra-capa de um catálogo FAMEL dos anos 80.













O que resta do edificio FAMEL

15 comentários:

Anónimo disse...

Caro Ricardo Moreira, é com satisfação que vejo alguém da terra que me viu crescer, falar sobre a FAMEL, foi também com tristeza que vi (agora longe mas sempre perto de Águeda) pouco a pouco o desmoronar daquela unidade industrial e lamento e não consigo entender como é que este e outros simbolos nacionais caem por terra. Ainda hoje me lembro do frenesim da hora de saida ás 18.00 Horas daquela empresa, do fumo dos escapes, ... Hoje em dia quando pelo pais e mesmo no estrangeiro me cruso com o ruido de uma FAMEL, sorrio, com a mesma ternura e encanto com que fiquei surprendido quando encontrei o seu site. Um abraço. Henrique Gãndara.

Anónimo disse...

È pena deixarem um monumento nacional cair em ruinas..
o meu pai trabalhou lá muitos anos, até falir..
lembro-me de ele aparecer la em casa com uma scooter electrica..
a mesma que supostamente era o plano de salvação da empresa e acabu por ser o enterro.. pois investiram milhares para depois o estado portugues proibir a fabricação pois não existia legislação que permitisse o fabrico e a circulação de motos desse tipo...
acabaram por ser os chineses que compraram os direitos e a fizeram..
deixando a famel na m.....
ASS.: alguem da mourisca...

Ricardo Moreira disse...

Este alguém da Mourisca é interessante, ainda mais tendo lá alguém a trabalhar até aos últimos dias.
Não haverá ai por casa um recibo de vencimento, um catalogo, um manual e mesmo, mas mesmo muito importante, qualquer coisa que diga respeito a essa scooter eléctrica! É que só ficou uma em solo nacional e ninguém lhe conhece o paradeiro.
A Soberania (Jornal Regional um tanto ao quanto faccioso) publicou um artigo sobre esse modelo. Já lhes enviei um e-mail a pedir alguma informação que possam ter, mas para não variar, não responderam.
Toda a ajuda é importante.
O meu e-mail está na página principal. Digam alguma coisa!
Obrigado em nome da Famel.

Tó , para os amigos . disse...

Boas , sobre a electrica acho que há uma motojornal com um teste !
Se encontar digo algo !parabens pelo Blog !

Anónimo disse...

Boas eu tenho 16 anos e keria ter uma xf17 so maluco por motorisadas 50 adoro casal adoro famel acho ke e pena um pais ke nao tem nehum veiculo importante e ke se deixasse ir a baixo duas fabricas como estas ke todos os dias ouvimos akele barulhinho carateristico e akele cheiro a gasolina de mistura queimada

Thunder disse...

É pena esta área tão grande estar deixada ao abandono! Grande fábrica!Parabéns pelo blog.

Anónimo disse...

Passei á cerca de 3 dias pela fabrica da famel, quando fui em serviço até Coimbra.

Realmente, uma das maiores empresas de Portugal, naquele estado é bastante degradante.
Alguem que de vida a isso !

Anónimo disse...

Bom caros amigos, quero agradecer ao amigo e autor do blog, que ja conhecemos, por tere metido a minha moto na pagina do blog
e de facto pena mas e assim no nosso pais e o k temos
abraço a todos jose a.sousa

Sergio disse...

boas

antes de mais parabens por este tempo dedicado a este blog

tenho 40 anos moro na zona do barreiro.
em 1983 comprei a minha primeira motorizada uma xf 17 nova no cequeira na baixa da banheira na altura vendia xfs que era uma locura com 16 anos começei a trabalhar (Não quis estudar)por isso precisei de comprar um meio de transporte as pesoas mais velhas cuidado essa motorizada anda muito e muito leve logo para ganhares pratica e perigosa mas eu mal a vi na loja foi amor a 1 vista a minha era daquela serie so com um conta kilometros ao meio grande marcava ate aos 120 klm dos 100 ate aos 120 a vermelho salvo erro.guiador direito ligeiramente a subir chave de iginicao por baixo nas tampas laterais as porcas das tampas ja eram de plastico tampa do deposito tanbem ja era em pastico. vermelha com listas pretas linda.

tive ela com 16 anos
cheguei a ir a agueda com amigos meus com outras 50cc fomos daqui do barreiro a agueda ver o mundial de sidecar cross
para quem se lembra foi espetaqulo
mas o melhor foi a viagem sem duvidas saimos do trabalho quem trabalhava outros ainda estudavam
pela noite fora sempre a andar correu tudo bem e la estavamos com tendas tudo a posto para ver esse grande evento.
cheguei mais tarde a ter mais 2 compradas em 2 mao
essas ja as mexi tinha jeito para a coisa derivado a profissao que tive abria o motor e montava bem sem problemas
a cullasa era reibaixada 1milimetros a 1.5
levava o célebre gilardoni a 45
piston de 2 segmentos para nao agarrar saia do lado da admisao cortada em meia lua
delort 26 com Gigler de 100 para nao enrolar escape de 80 (puxe) 16/ 28 ou 26 o de origem era 15/34 salvo erro
parte eletrica ligeiramen-te
avançada. e pronto avanços semicareagem da macal m80 pa quem se lembre amortecedores ++ baixos tabor 50 a frente com avanços montados por cima da platina e pronto uns atenticos canhoes para a epoca era com facilidade que algumas davam 130 ou +++ a lado de um carro mas isso ja e outro assunto um dia irei passar uma foto para scaner para colocar aqui no blog a unica que tenho com muita pena minha nunca liguei na altura e agora fico com pena de nao ter registos desses tempos que não voltam +++
um grande abraço e desculpem ter me alongado nos comentarios mas ainda so maluco por esta 5occ mitica se descobrir alguma que esteja de origem um preço justo para mim e para quem vende talvez ainda me meta a restaurar uma adorava
vamos ver a vida ta complicada se souberem de alguma digam alguma coisa agradeço



abraços

jose disse...

muito boa tarde
chamo-me jose e sou um maluco por motas especialmente antigas .
realmente meus senhores como é dificil de entender como uma fabrica como a FAMEL pura e simplesmente desaparece

Rui Paixão disse...

Felizmente há bastantes amantes da FAMEL que se dedicam ao restauro e assim mantem-se viva a memoria desses tempos que marcaram a historia do nosso país.

Eu ainda tenho esperança que um dia a Fabrica Famel volte a funcionar...

Carlos Gonçalves disse...

amigos no nosso pais o que é bom morre, com o que não presta temos que aguentar. Da scouter eletrica muito se falou, talvez por esta ter dado muito rendimento é que a famel fechou. Sr. anonimo o seu pai trabalhou na famel, tinha o direito de levar essa scouter para casa? tambem era dos empregados que despegava as seis mas as cinco já estava pronto para despegar? que eu saiba os subsidios fizeram mal a muita gente.

Anónimo disse...

eu sou ainda um "garoto" por estas bandas mas desde pequeno que o meu pai tinha uma f15 aguia e quando estava a xegar do trabalho mal xegava ao fundo da rua sabia logo que era ele. conhecia o barulho da mota logo que se conseguisse ouvir ainda tenho essa bela motinha que ja conduzo e ate tenho medo de aterrar com ela pois eu adoro aquela beldade e nao a quero estragar.... quando o meu pai me disse que a famel ja tinha fechado á alguns anos fiquei desiludido pois eu ja sonhava com a minha primeira mota uma xf21 que eu tanto adoro mas.... nao ha lol... é pena uma grande fabrica como esta ter fechado

ass:Daniel Almeida

Anónimo disse...

Caro ricardo, enviei-lhe no passado dia 14 um mail sobre uma dúvida de uma Famel (peças). Chegou a receber?

Cumps, Eugenio Brito

tiago disse...

É triste ver que maior partes das indústrias deste país morreram com a entrada na então C.E.E. Agora somos um país de serviços, senhores Doutores,mangas de alpaca, que produz pouco ou nada.
Numa altura em que temos que ser arrojados para tentar vencer esta crise, seria interessante ver alguém com vontade e capacidade financeira( e com o inevitável apoio político/bancário) de voltar a investir e erguer essa e outras fábricas (lembro-me da UMM) que outrora criavam e faziam COISAS. E por tabela, criavam postos de trabalho.
Parabéns, está aqui um Blog muito bom.